pra não ficar na gaveta

quinta-feira, fevereiro 18, 2010

 

bar tejo

em alfama tem um bar
escondido entre
casas e pedras
portuguesas onde não pode
bater palma depois
que as músicas terminam
o jeito é esfregar
uma mão na outra não pode
fazer barulho
não conte pra ninguém
eu você nós todos
aqui nesse terraço à meia-luz
em um canto escondido
uma mulher de cabelos brancos
e bochechas saltadas
confunde bossa nova com fado
fala de umas coisas que eu
não posso acreditar

Comentários:
é tão legal volta e meia dar umas voltas pelos olhos e sinapses dessa moça... :)
 
portugal é demais. gosto dos teus poemas, alice. dos pulos no tempo e das sensações.
 
mas pode bater palmas para o poema!
Tão lindo!
 
pode me dar o endereço de bar???

lhe encontro lá??

Parabens pelo texto!!
 
Este comentário foi removido pelo autor.
 
Gosto de algumas coisas no poema (as casas e pedras portuguesas, a relação entre o silêncio e a bossa nova, o afiado "não conte para ninguém", que retoma o escondido do bar), mas não de tudo. Algo me lembra o lado prosaico, de que não gosto muito, do Bandeira. Mas, enfim, tua poesia continua me sendo uma tábua de salvação. Grande abraço!
 
Tão gostoso que é te ler...
Parabéns, viu?

=)
 
eu tenho "estudado" um pouco de haikai, uma das dificuldades que tenho para fazer meus haikais é parar de usar "eu" e parar de escrever coisas abstratas, no haikai o leitor deve ler e criar uma cena imediatamente, deve ver o que está escrito acontecer. Eu formei a cena tão bem do seu poema que a velhinha de cabelos brancos de bochechas saltadas está me olhando enquanto escrevo... um dia vou conseguir escrever tão sutilmente quanto você
 
muito bonito
isto tudo.
 
adorei, cheio de bossa.
 
poxa alice, que demais. será que você não tem mais uns desses últimos meses pra mostrar não? esses registros são lindos. você fez um diáriozinho em poesia ou algo do gênero? muito bom ler suas impressões dessas experiências, e lembrar por você.
 
lindo esse, guria, como um fardo, como um fado... adorei te ver naquele dia, de certo modo, vc salvou-o de mim.

beijo d'além mar.

marona.
 
Coloquei este poema na Folhinha Poética 2014, no dia 13 de Maio, que é o aniversário do Tejo bar. Preciso enviá-lo para aprovação. Meu email manedocafe@gmail.com
Obrigado
 
Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Agosto 2010   Junho 2011   Dezembro 2011  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]