pra não ficar na gaveta

domingo, março 12, 2006

 

Desengano

Não quero a cara crua.
Quero antes a máscara vermelha, todinha ornamentada de diamantes e fortes feixes de luz
que me tira do anonimato desesperado
é com agá, apóstrofe e dois eles, num crachá de papel
e me elege rainha de mim.
Não um rosto sem pintura. Uma realidade sem realeza. Onde estão os privilégios? Cadê as reverências? E os enigmáticos em suas capas, as donzelas de veludo?
A cara lavada é crosta.
O tempo já passou, os porta-retratos estão completos, o horóscopo errou outra vez.
O ano está no início e parece faltar tanto para o próximo.
Que dura – quanto? seis, sete dias? – pouco.
Não. Eu quero que me reconheçam quando a marchinha grita no corpo da gente.
O suor do outro não incomoda: é riso com a boca, orelhas, ombros.
é rebolado quente que não deixa a coroa despencar da cabeça.
é nome que se inventa na hora, identidade improvisada.
É carnaval.

Arquivos

Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Agosto 2010   Junho 2011   Dezembro 2011  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]