pra não ficar na gaveta

terça-feira, abril 25, 2006

 

Clavículas

Ele segura minhas clavículas e puxa com muita força, como se fosse me arrancar pelos ganchos, como se os meus ossos fossem uma arquitetura que ele precisa dominar por completo. A mão dele aperta a minha pele, ele reclama desse tecido que sobra, ele me quer sempre magra, ele gosta de mim com pontas.

Depois parte sem dizer uma palavra. Assim como é violento e não gosta de conversa, ele também é frágil. Escapa sem que eu perceba, fecha a porta em movimentos inaudíveis, e nunca mais aparece. Não sei seu telefone, onde mora, se tem amigos. Quando nos encontramos, não registro nenhuma ordem coerente para depois seguir os passos, como uma beata, voltando para o mesmo lugar, na mesma hora, com a mesma roupa.

Assim que ele se vai, sinto que estou acordando de um sono estranho. Acendo todas as luzes do apartamento, com medo de escuro, e visto casacos. A boca roxa de frio. Começa uma tremedeira, perco o apetite, tenho vontade de passar a semana inteira espalhada pelo carpete sem falar com mais ninguém.

Assim que ele se vai, inicio uma busca apurada. Procuro atrás das estantes, na cômoda, atrás do papel de parede, embaixo do piso, entre os móveis, no cheiro das roupas, debaixo das unhas. Qualquer indício de que aquilo foi real me serve, qualquer marca no corpo é motivo para exibir pelas ruas como troféu, como jóia preciosa.

E andar por aí de short, camisas sem manga e cabelos presos, mostrando para todos os olhos. Adoro quando me perguntam sobre as manchas na pele, apontando o indicador cheio de sobrancelhas e cenhos, e respondo com um sorriso. Sabe o que é, devo ter batido em algum lugar e esquecido, entende. É que sou muito distraída.

Comentários:
Que texto maravilhoso! Arrasou. Parabéns, seu estilo é sempre leve mas com muita poesia.
Lindo!
 
Agora de noite...o que falar...seus textos sempre me forçam buscar algo em sua realidade. Seus personagens sempre me remetem a uma pessoa que reflete você.. é como se ela fosse uma marionete. É um pedaço do seu eu misturado com ações de sua criação e vc vai deslizando no teclado ou caneta e tudo vai saindo por de tras das cortinas. Como se vc pegasse um cardapio do dia..com tudo que fez ou fará ou tem desejo de fazer...naquele lugarzinho reservado a explicação do que é o prato...é no caso seu estilo, uma mistura de tudo, não consigo definir exatamente como ele é mas sei que é um estilo gostoso de ler, fluente, mto visual, e o que eu mais gosto: um tanto teatral; cada cena descrita..contada..ou que vc deixa nas entrelinhas..é algo que vc consegue fazer de forma cativante.
hauhua...bem eh isso...bjões!
 
adóóóóro o jeito que vc escreve, Alice!
ameeei, sempre termino de ler com um "aaaai, que tuuudo!"

eu ando enferrujadíssima, preciso voltar a escrever...

temos que marcar algo, já!

beeeijo
 
Adorei, Alice.
Seu texto me deu uma vontaaaade de escreveeeer... Gostei também de ouvir a sua personagem, mas não pensei ainda no porquê disso.
Bjs
 
Li!
nossa, é um parto comentar aqui... mas consegui! Amei o texto, muito bom! Você é muito boa!
beijo!
 
Caramba! Muito bom!
 
Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Agosto 2010   Junho 2011   Dezembro 2011  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]