pra não ficar na gaveta

sábado, agosto 09, 2008

 

casa de morar

juntar telhas é esconder
o céu remendar o teto
proteger do dia
espantar mosquitos

comprar uma moldura de madeira
sem ter o que emoldurar
é desenhar na parede
um retângulo
é recortar o ar

erguer escadas é empilhar
degraus é levar pro
teto é trotear
pro térreo

não tem cabimento esse chão que cobre tudo

Comentários:
Fabuloso!
 
já pode projetar uma casa!
adorei o 'recortar o ar'.
 
Seus escritos são demais! Me inspirando, até :D
Gostei de vê-la no JB também e mal posso esperar pelo livro.

Muito bom!
 
bonito.
 
gostaria de fixar residência nesse último verso, trato com quem?
 
eu gostei da parte de espantar mosquitos, me identifiquei bastante com isso, malditos mosquitos
 
Menor cabimento. Menor!

beijos,
sofia
(vaz?)
 
palmas em linguagem de surdo-mudo.

terça creio que estarei lá pra prestigiá-la!

beijos nozeiros,
Miguel
 
faz um tempo, eu disse pra minha namorada que ano que vem, quando ela se mudar de vez pro rio, a gente vai num CEP 20000. ela não sabia o que era, contei toda a história.
hoje ela chegou pra mim dizendo que leu uma matéria sobre uma moça bonita que ia lançar livro, falou algo relacionando o livro ao cep e disse que tinha esquecido o nome da pessoa.
daí eu disse deve ser a alice sant'anna, ela parou e disse É ISSO MESMO!, como você sabe?
eu disse que eu lia seu blog, que foi uma cagada, porque é um dos únicos que gosto de ler, ela falou legal e ficou com ciúmes. vai entender, né.
 
eu caso. topo morar nessa casa.
 
agora vc esta em muitas gavetas!
 
Ei, quero falar com você.
Dá uma aparecida no messenger!
Um beijo.
 
Cara Alice,

ao lhe entregar meu "Thanks", esqueci de colocar meu e-mail nele, para que voce possa dizer o que achou (se posso lhe pedir isso, claro). Meu email é pedro.fdcp arroba yahoo.com.br e ficaria agradecido por qualquer comentário.
 
Uma Sant´Anna linda deveria aparecer no meio dos tantos consagrados e feiosos Sant´Annas.
Não bastasse o rosto que é um poema terno, faz essas dobraduras de brincar com olhos e dedos. Gosto que a influência fique apenas na janela observando a originalidade do poeta. Encanto.
 
Que legal achar seu blog, eu coloquei um poema seu por intermédio do Chacal no meu blog dias atrás...parabéns vc escreve muito bem!
Abraço!
 
Primeira vez aqui. Bonito poema.
 
da impressão de sentir a leveza da caneta no primeiro rabisco, é leve, de escrita melódica, me dando a sensação que tudo fora feito sem pausas, exatamente como se lê.
bonito.
 
Poesia é assim como um graveto caído no chão e o vento balançando pra lá e pra cá: bonita, leve e pura.
 
muito bonito. dá vontade de ficar olhando o mundo do telhado do bairro.
 
Muito bom, muito bom.
 
Lindo! Vontade de morar aqui.
 
Gente, quando foi que isso tudo aconteceu! Parabéns pelo livro, Alice. O Plástico Bolha pode se orgulhar de ter te publicado primeiro =)
 
MUUUUUUUUITO foda Alice!!!!
 
Linda poesia. Eu a musiquei. Tem problema??
 
Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Agosto 2010   Junho 2011   Dezembro 2011  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]