pra não ficar na gaveta

domingo, outubro 14, 2007

 

almoço de domingo

Um filé com arroz à piamontese, por favor, e uma tônica. Papai pediu o polvo com legumes, como sempre. Viemos aqui religiosamente todos os domingos, neste restaurante escuro, apesar da luz transbordante das duas da tarde que escapa entre as frestas da cortina. Não é mal, o lugar. É verdade que me incomoda o chão de carpete e as paredes em tons de vinho, é verdade que me incomoda também que os pratos venham sempre frios, ou trocados, ou que o meu venha muito antes do pedido do papai. Continuamos voltando para cá mesmo assim, mesmo depois da crítica durante o cafezinho. Ele traz a xícara à boca e diz: o atendimento daqui está cada vez pior. Nunca comi um polvo tão duro. Eles deviam trocar o chefe. Depois beberica o café (muito aguado) e assina o cheque.

Há também um pianista triste ao fundo. Ele toca três músicas, olha para as mesas, sabe que ninguém o observa, e volta para si menor. I´ve got you under my skin de repente soa fora do tom, ou foi uma nota que escapou, o pianista sempre contorna as notas que escapam. Bom mesmo, eu penso, seria se ele parasse antes de terminar o compasso, assim, de súbito, para que os ali presentes reparassem algo de estranho e suspendessem a mordida. Pedir que percebam o pianista no salão chega a ser um exagero.

Papai não pergunta muito. Conta sobre a última viagem, monossilábico, foi boa, desta vez ficou num apartamento ótimo em Paris, amplo e asseado. O meu trabalho vai bem, ele sabe que procuro outras coisas, que não me comove a idéia de passar o resto da vida no escritório sem vista para o céu. Que eu não gostaria de continuar diminuído pela hierarquia, ou gigante quando peço que me tragam mais café. E que, apesar de todas estas coisas não ditas, papai talvez não saiba, ou até saiba muito melhor do que eu, que me falta força de vontade para um dia vestir uma gravata de outra cor, ou pedir um outro prato, ou aplaudir o pianista quando ele toca a última música do repertório.

Comentários:
under my skin ou i've got you under my skin?
porque a segunda fica perfeita no piano. a versão da diana krall então, nossa, morro ouvindo aquilo.
 
é, porque, coincidentemente, existe uma música chamada under my skin, da infame Avril Lavigne. eu fiquei pensando em como um pianista desses ia tocar uma música da Avril, assim, do nada.
daí lembrei da Diana e do titio Frankie.

acontece, néan, nas melhores famílias. hahahah
 
bem bonito, bem júlio cortázar.
 
a-do-rei esse lance dos comentários serem dobraduras.

menina vc é boa nisso.

nisso de escrever eu digo.
 
Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Agosto 2010   Junho 2011   Dezembro 2011  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]